Antero, ou o Nome Próprio

  • Joana Amaral Dias Universidade de Coimbra
  • Carlos Amaral Dias Instituto Superior Miguel Torga
Palavras-chave: Nome próprio, substituto do irmão morto, conflito de identidade, luto jamais terminado, duplo narcísico, psiquismo materno.

Resumo

Colocando Antero de Quental em perspetiva com Vincent van Gogh e Salvador Dali, um facto biográfico é comum aos três. Todos eles receberam o nome em homenagem a um irmão mais velho que morreu, ainda bebé, pouco tempo antes. É como se o irmão que veio a seguir apenas existisse para perpetuar a presença do irmão falecido, dado, em particular, a mistura de amor e luto na figura da mãe. Quando ela chama o nome do filho vivo, é o filho morto que olha para ela. Isto gera um largo conflito de identidade e um senso de fragmentação psíquica, devido ao facto de ocupar o lugar de um outro morto, e dar um corpo para o desejo da mãe em negar a morte de um outro filho. Quem é a pessoa no nome de Antero?

 

Antero, or the Given Name

Putting Antero de Quental in perspective with Vincent van Gogh and Salvador Dali, a biographical fact is common to all three. All of them were named after an older brother who died while still a baby a short time before. It is as if the brother who came next only existed to perpetuate the presence of the deceased brother, given, in particular, the blend of love and mourning in the figure of the mother. When she calls the name of the living son, it is the dead son who looks at her. This generates a broad conflict of identity and a sense of psychic fragmentation, due to the fact of occupying the place of a dead other, and giving a body to the mother’s desire to negate the death of another son. Who is the person in the name of Antero?

Keywords: Given name, dead brother’s surrogate, identity conflict, never ending mourning, narcistic double, maternal psyche. 

Biografia Autor

Joana Amaral Dias, Universidade de Coimbra

Psicóloga Clínica. Professora universitária. 

Publicado
2015-06-30
Como Citar
[1]
Dias, J. e Dias, C. 2015. Antero, ou o Nome Próprio. Interações: Sociedade e as novas modernidades. 28 (Jun. 2015).
Edição
Secção
Artigos