Invisibilidade, Desigualdade e Dialética do Real na Era Digital

  • Matteo Stocchetti Arcada University of Applied Science, Helsinki - Finland
Palavras-chave: interpelação, digitação, digitalização, dialética do real, construção social da realidade, capitalismo

Resumo

Na era digital, a possibilidade prática de engajar desigualdades como problemas políticos, ou seja, como problemas relacionados com a competição pelo controle da distribuição de valores na sociedade, é prejudicada pela invisibilidade digital da realidade.

No atual estado de coisas, a digitalização da sociedade reflete a influência da interpelação capitalista e provoca a invisibilidade do real. A invisibilidade do real através da digitalização capitalista, por sua vez, confunde digitação e digitalização, subordinando esta última à primeira. Construída como um processo inspirado na racionalidade tecnológica, a digitalização capitalista compromete a possibilidade de mobilizar conhecimentos e legitimar práticas de apoio à interpretação das invisibilidades em relação a desigualdades e injustiças.

De acordo com a perspectiva crítica de Andrew Feenberg e outros, a minha abordagem é que a influência do capitalismo na era digital resulta de uma apropriação epistémica de um desenvolvimento tecnológico. Esta apropriação é a fonte de invisibilidades que apoiam desigualdades e, por fim, injustiças que podem e devem ser combatidas. Partindo disso, o meu ponto é que a oposição a essa influência depende da possibilidade de estabelecer fundamentos epistémicos alternativos e da formulação de interpelações alternativas para a produção da subjetividade digital.

Para promover a agenda normativa da teoria crítica, discuto essa possibilidade em termos da ‘dialética do real’, da repolitização da construção social da realidade na era digital e do papel da literacia mediática crítica.

Publicado
2018-09-30
Como Citar
Stocchetti, M. (2018). Invisibilidade, Desigualdade e Dialética do Real na Era Digital. Interações: Sociedade E As Novas Modernidades, (34), 23-46. https://doi.org/10.31211/interacoes.n34.2018.a2
Edição
Secção
Artigos